Sexta-feira, 8 de Fevereiro de 2008

Vamos abrir caminho ...

Chega de críticas, vamos contribuir com o que sabemos para aumentar a eficiência da governação camarária, privilegiando, através de intervenções transversais nos diversos domínios relevantes, os objectivos de modernizar a câmara, melhorar a eficiência e qualidade dos serviços sociais colectivos, com reforço da participação da sociedade civil e melhoria da regulação pública.
 
Vamos abrir caminho para um novo ciclo de desenvolvimento apostando no reforço dos factores de competitividade, da qualificação do capital humano e da valorização territorial.
 
 
Primeira ideia:
 
 – Concessionar por 50 anos, à melhor oferta, o Parque Empresarial, o Parque de Actividades e a Plataforma Logística, evitando o sorvedouro de dinheiro público, utilizando a poupança obtida e o possível rendimento da concessão, na recuperação e reforço infraestruturais da “Zona Industrial” e restantes espaços com implementação efectivas de empresas.
 
Segunda ideia:
 
- na Escola de Enfermagem …….
sinto-me:
publicado por chaveslivre às 21:11
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 26 de Fevereiro de 2007

Quanto mais longe pior.

Nada como a frieza dos números para entender os prejuízos da desclassificação da urgência de Chaves.

Quadro nº 1 - Tempos de acesso às urgências, considerando a situação actual, com Vila Pouca e Ribeira de Pena a deslocarem-se ao hospital de Vila Real e Valpaços, Montalegre, Chaves e Boticas a deslocarem-se para o hospital de Chaves.

 

 Valores em minutos.

 

Concelhos Alto Tâmega

Tempos actuais - Vila Pouca e Ribeira de Pena deslocam-se ao hospital de Vila Real

Médias de acesso ao hospital

Tempo máximo de acesso registado nas freguesias

Boticas

33,8

49,9

Chaves

15,9

35,2

Montalegre

55,3

84,1

Ribeira de Pena

62,5

84,5

Valpaços

30,7

51,1

Vila Pouca de Aguiar

46,4

61,5

 

 

Quadro n. º 2 - Tempos de acesso considerando o encerramento da urgência médico cirúrgica do Hospital Distrital de Chaves. Está considerada a rede actual, pelo que deve ser tido em consideração que os tempos poderão diminui com a abertura do troço da A24 entre Vila Real e Chaves…. Mas, as diminuições de tempo de acesso, não deixaram de desprezar várias das freguesias desses concelhos em situação problemática.

 

 Valores em minutos.

 

Concelhos Alto Tâmega

Tempos de acesso de todos os concelhos do Alto Tâmega ao hospital de Vila Real

Médias de acesso ao Hospital de Vila Real

Tempo máximo de acesso registado nas freguesias

Boticas

83,4

97,7

Chaves

79,8

107,6

Montalegre

111,0

138,8

Ribeira de Pena

62,5

84,5

Valpaços

66,6

90,4

Vila Pouca de Aguiar

46,5

61,5

 

 

Os tempos foram calculados recorrendo a modernos sistemas de cartografia automática com percursos reais testados nos tempos de deslocação por condutores tipo.

 

Foram calculados pelo Sr. Eng. Nuno Azevedo, no âmbito de uma dissertação de mestrado.

sinto-me: Os números não enganam
publicado por chaveslivre às 21:02
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 25 de Fevereiro de 2007

A anticipação supera a reação.

A Lei de Bases da Saúde Nacional diz claramente que as Autarquias locais participam na acção comum a favor da saúde colectiva, dentro das suas responsabilidades, o que significa que devem ser mais intervenientes nesta área.
Nesse contexto, a nossa Autarquia deveria ter sido mais actuante nesta matéria, deveria ter já elaborado um Plano Concelhio de Saúde que lhe permitisse ter uma estratégia para melhorar a qualidade da saúde e da vida das nossas populações.
Nesse plano teriam de estar identificados quais são os fundamentais problemas de saúde dos residentes no concelho, que mecanismos desejamos implementar para promover a melhoria do estado de saúde das nossas populações, que disponibilidade tem a Autarquia de investir nesta área, nomeadamente em infra-estruturas (aqui a rede social seria importante), como as desenvolver e qual a avaliação e acompanhamento da saúde no nosso concelho.
Este Plano Concelhio de Saúde se estivesse elaborado, como foi proposto atempadamente pela oposição na Assembléia Municipal, poderia ajudar a Autarquia a perceber o estado de saúde da nossa população e, seria agora um instrumento poderoso em termos de negociações com a Administração Central e do Hospital de Vila Real, de forma a fazer-lhes entender que ao nos reduzir a capacidade em termos de saúde ao maior nível, estão também a reduzir a nossa capacidade de contribuir para a fixação das populações, de criar riqueza e de sermos, também aqui, um Portugal de primeira.
 
O PSD no poder não aceitou desenvolver os estudos necessários à elaboração do Plano, antes quis contratar um estudo para criar mais uma empresa municipal e uma associação para colocar os amigos do partido em bons lugares.
 
Agora engajam manifestações populares para contrapor a relatórios técnicos.
 
A conduta não é essa.
No plano das operações, a antecipação daria melhores garantias de vitória que a reação.
sinto-me: Estratégia
publicado por chaveslivre às 21:06
link do post | comentar | favorito
|

Vamos retomar a acção!

 Após reflexões aturadas que giraram em torno dos objectivos do blog, da necessidade da economia de forças, dos conteúdos, da ofensiva, da manobra, da unidade da acção, da surpresa, da segurança ou mesmo da simplicidade, decidimos relançar o combate.
Tal decisão nada tem a ver com reincidências beligerantes, antes dependeu da constatação de que “o meio para a vitória é o combate”.
 
Retomamos a luta porque ela “não é apenas um acto de puro cálculo, mas também de paixão e coragem.”
 
Sabemos que a “dimensão do sucesso e a sua certeza variam em sentido inverso”, mas sabemos também que quantos mais ousarmos, maiores serão os sucessos que podemos esperar com este meios.
 
Ao combate!
sinto-me: radiante
publicado por chaveslivre às 20:34
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 18 de Outubro de 2006

A mentira continua!

Parece impossível que se minta tão deslavadamente.

 

Isto tem de acabar, aldrabadas cegas e sujas, têm de acabar

 

 

Pela mão de Cátia Almeida, em Vidago ficamos a saber que descobriu a pólvora: “A fábrica da água de Vidago vai encerrar no final do ano.”

 

É verdade. Já todos sabíamos.

 

Diz ainda que o encerramento “pode parecer um processo pacífico, mas a deslocação da produção já foi alvo de alguma polémica.” Também é verdade.

 

 

Diz depois que “desde que foi conhecida esta possibilidade que a Câmara de Chaves e a Junta de Freguesia de Vidago manifestaram a sua forte oposição.”

 

Aqui é que a mentira é gorda e pérfida pois, bem sabemos que, a junta tudo fez para o impedir mas, a Câmara, desde o início assinou pré-acordos  e tudo o que foi preciso para a fábrica sair. Não se tratou de lavar as mãos, não! Desenvolveu esforços de facilitação da saída.

 

Depois da mentira a diarista (?) passa a servir de veículo de propagação do palavreado característico dos louvaminheiros trapaceiros. Apreciem a magnitude do sarcasmo contido da tirada:

 

“A necessidade de retirar a unidade do parque termal até foi compreendida, mas a autarquia não quer que o investimento saia do seu concelho (Pedras Salgadas pertence a Vila Pouca de Aguiar). O presidente da câmara, João Baptista, defende a construção de uma fábrica de raiz nas imediações do parque ou noutro local do concelho. De acordo com a imprensa regional, as Juntas de Freguesia de Vidago e da Oura prometem não facilitar a decisão da Unicer, pensando que a forma de impedir a empresa de deslocalizar a fábrica poderá passar por colocar em causa a legitimidade da Refer em autorizar a passagem dos tubos pela linha férrea.”

 

Para rir se não fosse tremendamente triste!

 

 

Para ver mais aqui vai o LINK

http://dn.sapo.pt/2006/10/18/economia/unicer_encerra_fabrica_vidago_dezemb.html

publicado por chaveslivre às 22:18
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 13 de Setembro de 2006

...

Despesismo, descontrole, falta de rigor - Legítima desconfiança.

 

O Orçamento Municipal é um tema de predilecção para os que pensam que gerir uma Câmara é o mesmo que gerir uma casa de família.

 

Há dinheiro a receber, há dinheiro para gastar. Esquecendo-se muitas famílias, vezes sem conta, infelizmente, de tomar as medidas que se exigem para não só promover a melhoria das condições de vida actuais, mas mais grave ainda, esquecendo-se a preparação dos desafios incertos que o futuro pode proporcionar.

 

Nesta Assembleia Municipal, pretendemos dotar o município não só da previsão do dinheiro que a Câmara pensa seriamente vir a receber ao longo do ano, mas ainda do destino que vai dar a esse dinheiro.

Todos sabemos que o dinheiro não será suficiente para todas por cobro às necessidades que cada grupo social considera mais prementes. Nem chegará para mandar construir obras magníficas que perpetuem o nome do Presidente da Câmara nos anais da história, como faziam antigamente os reis absolutistas.

 

Considerando esta limitação decorrente da carência de dinheiro temos que discutir essencialmente duas coisas:

 

Primeiro: como conseguir o máximo de dinheiro?

 

Segundo: em que aplica-lo?

 

Principiemos pela última questão.

 

Que problemas enfrenta a nossa comunidade?

 

Várias resposta se poderão dar a esta questão, dependendo as mesmas em grande medida do grupo social em que se esteja inserido.

 

Os mais pobres dirão que necessitam de habitação condigna, de uma forma justa de ganhar a vida e que os seus filhos possam vir a ser “alguém” entendido este alguém, por um homem com uma profissão que lhe permita uma vida digna.

 

Os burgueses dirão certamente outra coisa, por exemplo que se deveriam reforçar as verbas para manifestações culturais de características marcadamente lúdicas.

 

Atendendo a esta divergência de opiniões compete aos titulares do poder político decidir em que gastar o dinheiro.

É isso que nos pede a Câmara Municipal hoje, autorização para gastar o dinheiro que obtém dos contribuintes.

 

Após uma análise atenta dos documentos previsionais para 2006, pelas opções que lhes estão subjacentes, não mereceram uma avaliação positiva por um conjunto variado de razões, das quais, por limitação de tempo só expomos as principais.

 

1) A Câmara Municipal quer acreditar, pelo que escreveu nos documentos do orçamento da receita, que vais arrecadar 54.935.144,76 €. Em nossa opinião tal não se vai verificar.

a) em 2003 previa arrecadar no total  € 35.546.385,77 e só veio a arrecadar, no final do ano, € 25.489.757,54 ou seja menos  € 10.056.628,23;

b) em 2004 previa arrecadar no total  € 47.794.335,57 e só veio a arrecadar, no final do ano € 24.435.842,44 ou seja menos  € 23.358.493,13;

c) em 2005 prevê arrecadar 49.304.425,95 e não passará dos 31.000.000,00 ou seja, 18.300.000 a menos

 

Desta forma como se pode afirmar que este ano, ao contrário dos anteriores, se vai arrecadar toda a receita.

 

1º A EHATB, transferiu o montante previsto em 2005 no valor de € 2.000.000? Voltamos novamente a estratégias fictícias de equilíbrio das despesas correntes com receitas correntes irreais? É preciso cumprir a lei, mas sem recurso a estratagemas.

 

2º Simular um deficit orçamental, suportado por € 10.000.000 em venda de bens de investimento é outra forma de tapar o Sol com uma peneira, de não ser rigoroso na inscrição de receitas. Onde está o documento que elenca os bens a vender?

 

3º Atendendo ao lento ritmo de execução de obras com fundos públicos que tem marcado a sua gestão nos anos anteriores calculamos, a partir do valor médio de perdas anteriores que, no próximo ano, não alcançará transferências de capital da administração central num valor próximo dos € 9.000.000. É sintomático a este respeito não ter a Câmara apresentado a esta Assembleia a informação dos projectos cuja homologação já foi obtida.

 

Por conseguinte, as receitas estão seguramente empoladas em 21 milhões de euros. Tal facto constitui um gravíssimo atentado ao rigor que se exige nas previsões municipais.

 

O orçamento da despesa também nos transmite profundas e legítimas preocupações. Logo na primeira rubrica, referente às despesa com pessoal, podemos afirmar que, se até final de 2005 se prevêem gastar € 7.551.114,14 (mais 9 % que em 2004, não tendo havido aumentos salariais), para o próximo ano pretende-se gastar mais 12 % que o previsto para o ano em curso. Ou seja passar de € 7.551.114,14 para € 8.447.618,10 de despesa.

 

Tal aumento é por nós considerado inaceitável já que constitui um forte desperdício de dinheiros públicos tanto mais que muitos funcionários têm passado para a esfera das empresas que a Câmara foi participando nos últimos 4 anos. Este injustificado acréscimo consome um grande volume de meios. Tenha-se em atenção que em 2001 apenas se gastaram € 5.696.940,37 com o pessoal, pelo que esta Câmara já aumentou estas despesas em € 2.750.677,73 (551.461 contos, mais de meio milhão, 48% de aumento). Que é isto se não despesismo galopante?

 

O mesmo despesismo se vem verificando na aquisição de bens e serviços pois, se em 2004 se gastaram € 4.352.429,97, para este ano de 2005, prevê-se gastar € 6.656.454,14 (mais 53 % do que em 2004 se gastou) e, para o ano de 2006 que estamos a apreciar, esse valor sobe mais 13% atingindo agora € 7.545.829,24. (em 2001 apenas se gastavam € 2.915.787,95, praticamente um terço do que agora se gasta). Como podem aumentar ao mesmo tempo as despesas com pessoal e a aquisição de serviços, se muitos deles passaram para a esfera das empresas participadas pela autarquia.

 

É fundamental que o Sr. Presidente explique este abismo que se vem abrindo na Câmara.

 

Comparando a evolução dos agregados da receita e da despesa corrente no global constatamos que, a despesa tem crescido a um ritmo mais acelerado que a receita. (de 2004 para 2006 as receitas correntes 26%, mas as despesas correntes 32%,  (R.C. 15.2-19.1) (D.C. 14.4-19.0)

 

Acresce que, mesmo atendendo ao carácter fictício de algumas rubricas do orçamento da receita, não existir palpável poupança corrente já que, as receitas corrente apenas superariam, hipoteticamente, as despesas correntes em €80.000. (em 2001 esse valor foi de € 2.211.861,63, em 204 já tinha baixado para € 765.672,15 e agora é o que se vê)

 

Quais as funções a que se destina o dinheiro das receitas?

 

Mais de metade é destinado às Funções Sociais principalmente ordenamento do território e saneamento. No que concerne ao ORDENAMENTO é difícil aceitar o volume de serviços que se pretendem adquirir a empresas de planeamento, tanto mais que a Câmara contratou técnicos e mais técnicos para além de instalar chefias e sub chefias, se tudo se compra é caso para perguntar o que fazem na Câmara?

 

Mais uma vez não é destinada qualquer verba para a função económica Agricultura, Pecuária, Silvicultura, e Caça, sector muito carenciado e a necessitar de um impulso.

 

À função económica comércio e turismo apenas se dedicas 1,6 %  (555.481 €) mas tal nem vai acontecer pois em 2004 tinha sido destinado um volume parecido e no final apenas se gastaram 14.280€. Se mais razões não houvesse, por si só,  este esquecimento do fomento do comércio merece um voto negativo ao PPI. Todos temos consciência das dificuldades que os comerciantes estão a sentir, que pela retracção económica, que ainda pela concorrência dos grandes conglomerados comerciais, para além das lojas discount. Teria que haver desde já medidas. Estamos disponíveis para em conjunto com a Câmara Municipal encontrar os meios para recuperar a dinâmica comercial que sempre foi característica da nossa cidade.

 

Notamos que no PPI foram incluídos 800.000 € para transferência para as Juntas de Freguesia. Já sabe por conseguinte o Sr. Presidentes de que se trata de investimento e onde se vão efectuar.

Por isso pergunto. Como pode pedir a aprovação de um documento como o PPI sem designar os projectos em concreto? Como poderemos apreciar o seu interesse?

Desde aqui lanço o pedido à Mesa para que nos prazos legais informe o meu grupo Municipal das obras incluídas na rubrica referida.

 

Fica-nos a convicção que o Sr. Presidente se prepara para assinar secretamente com as juntas do PPD/PSD os protocolos que esgotarão a verba em análise.

 

 

Devo concluir que, face ao referido, não resta outra solução que não seja a de chumbar esta forma de gerir as contas do município. Por apresentar falta de rigor na determinação da receita, empolando-a, criando, por essa via, falsas expectativas aos vários agentes sociais, nomeadamente aos senhores Presidentes de Junta de Freguesia e, por enveredar por práticas despesistas, de descontrole da despesa corrente, o que inviabilizará a realização de muitos dos investimentos necessários ao desenvolvimento do Concelho e o justo solidário e necessário apoio às Juntas de Freguesias.

 

publicado por chaveslivre às 00:04
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 26 de Maio de 2006

Desmedido frenesi.

As últimas propostas do maior partido da oposição são um seguro de vida para a manutenção do PS no poder. A necessidade de afirmação parece agora desorientar a acção, levando a uma fuga para frente sem qualquer resultado visível.
 
Todos saímos a perder.
 
O tacticismo eleitoral é deplorável e a tentativa de diferenciação através de não soluções, confunde o povo, não cria condições de governabilidade e descredibiliza toda a classe política.
 
Parafraseando o programa de acção do PS impõe-se, antes de mais, “travar a tentativa de desvirtuamento neo-liberal da Estratégia de Lisboa, reafirmando a visão estratégica que a enforma, nas suas dimensões económica, social e ambiental, que mutuamente se reforçam, valorizando o modelo social europeu e os elevados padrões europeus de qualidade ambiental, como factores que reforçam a competitividade europeia numa economia baseada no conhecimento.”
Por aí é que é caminho.
Reforçar com medidas de política o poder dos colossos financeiros, inserindo o tema na agenda da política nacional, só podem ser más notícias.
publicado por chaveslivre às 00:19
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 10 de Maio de 2006

Rotinas passadistas

Em épocas de retracção económica sente-se mais a indispensabilidade de tornar as nossas comunidades sustentáveis.

 

O poderes públicos teimam no entanto em não mudar as suas práticas, pensando que de fora virá sempre dinheiro, ou que os que vêm a seguir pagarão as dívidas

 

Negam sistematicamente a necessidade de enveredarem por novas abordagens de "governância", como por exemplo as formas alternativas de envolvimento dos cidadãos e das populações, nomeadamente nos processos de decisão e as formas alternativas de uso dos recursos endógenos e de valorização do património, nomeadamente cultural e de identidade local e regional. (veja-se a abrupta invasão comercial que vamos enfrentar Chaves)

 

Apegados a rotinas passadistas continuarão a cavar o fosso que, a prazo (agora cada vez mais curto), os levará à destruição do poder de compra e da qualidade de vida dos cidadãos.

publicado por chaveslivre às 00:27
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 9 de Maio de 2006

TIC's na autarquia?

A autarquia, devia encarar o uso das novas tecnologias, como um veículo para a prestação de mais e melhor informação aos cidadãos e empresas, de forma descentralizada e não rígida. Mas não é o que acontece em Chaves.

 

Devia perseguir, cinco objectivos importantes:

 

1º - conter as despesa através de ganhos de eficiência nos serviços (produtividade).

2°- reduzir do tempo de espera que recai sobre as petições dos munícipes (beneficio para o desenvolvimento das actividades, ex: construção civil).

3° - melhorar as condições de atendimento (possibilidade de consulta à distancia, ex: da própria residência, da empresa).

4° - fomentar o exercício da iniciativa empresarial, (maior capacidade de informação e resposta da autarquia, maior qualidade dos serviços prestados aos agentes económicos )

5° - reforçar claramente o desenvolvimento de actividades técnicas na autarquia.

 

Pensem nesses objectivos, irão reparar que, infelizmente, o caminho da autarquia flaviense não converge para eles.

publicado por chaveslivre às 10:51
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 25 de Abril de 2006

25 de Abril

Com vigilância conservámos Abril.

Após mais de três décadas Abril perdura vivo!

Estamos atentos, estamos vigilantes. Abril viverá!

Os legatários dissimulados de Salazar esperam o momento, tentam a todo o instante ganhar campo.

Todos sabemos isso.

Como democratas, profundamente apaixonados pela liberdade afirmamos:  SALAZAR NUNCA MAIS!

VIVA A DEMOCRACIA!

VIVA A LIBERDADE!

VIVA ABRIL!

 

 

 

publicado por chaveslivre às 20:25
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sábado, 22 de Abril de 2006

João Batista aferrolha escolas às crianças.

O Conselho de Administração da AMTAD é composto por João Baptista, Artur Cascarejo, presidente da Câmara de Alijó, Francisco Lopes, presidente da Câmara de Lamego, Artur Pimentel, autarca de Vila Flor, e José Rodrigues, autarca de Vimioso.

 

Para João Baptista, a AMTAD, esteve com a sua actividade praticamente parada durante dois anos. (farpa para os seus colegas de partido de Bragança e de Boticas)

 

Agora que na sua opinião se começa a trabalhar e, segundo ele próprio, já se conseguiu que o nosso concelho (não o dele, como sabemos) seja aquele que vê encerrar o maior número de escolas no distrito, designadamente 38 das 82 existentes.

 

Mais uma vez não faltaram as promessas para as calendas “na cidade de Chaves deverão (deverão?) ser construídos dois centros escolares”.

 

Como nada consegue, quer agora meter os outros colegas autarcas no mesmo saco, “é para a construção de centros escolares e requalificação do edificado existente que os autarcas transmontanos exigem “prioridade” a nível dos investimentos previstos para a educação”. E nas contas da Câmara essa prioridade é também para se levar a sério? ou é só pedir ao governo para lhe fazer o importante e a Câmara dar o seu milho aos pardais. (nada tem a ver com a banda, talvez fosse melhor escolher outra espécie da ave, ou até uma figura de estilo diferente, como por exemplo "adubar laranjeiras).

 

Os outros autarcas querem lá saber dos males de Chaves e de “Judas a pregar no deserto.”

 

 

Para a próxima comentaremos as tiradas seguintes:

 

“O encerramento das maternidades, poderá afectar Chaves, Mirandela ou Bragança.”

 

João Baptista defende uma “redistribuição equilibrada dos serviços por todo o território nacional”. Refere a propósito “Entendo a racionalização dos serviços”.

sinto-me:
publicado por chaveslivre às 18:20
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 19 de Abril de 2006

Economia Portuguesa


Desde Março de 2005, o executivo Socrates conseguiu reverter a previsão do deficit de  6,83 por cento no final do ano para 6 por cento, pelo que continua credível a meta de ter um défice de 4,6 por cento no final de 2006.

O Primeiro ministro de forma confiante refere que, dentro do calendário e o ritmo previstos, vai tomar todas as medidas que forem necessárias para que Portugal apresente um défice abaixo dos três por cento em 2008.

PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

 

SALDO ORÇAMENTAL (percentagem do PIB)

EXCLUINDO MEDIDAS TEMPORÁRIAS (percentagem do PIB)

RECEITA FISCAL (percentagem do PIB)

(2004)

-3,2

-5,3

35,3

(2005)

-6,0

-6,0

36,4

 

 

PIB

CONSUMO PRIVADO

CONSUMO PÚBLICO

FBCF

(2004)

1,1

2,3

1,6

0,0

(2005)

0,3

1,8

1,9

-2,6



 

EXPORTAÇÕES

IMPORTAÇÕES

EMPREGO

TAXA DE DESEMPREGO (percentagem de pop. activa)

(2004)

5,3

7,0

0,1

6,7

(2005)

0,9

1,8

0,0

7,6

 

publicado por chaveslivre às 19:21
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 18 de Abril de 2006

Rural Intenso

Em toda a região transmontana, o solo é quase sempre pobre, já que apresenta reduzida profundidade e escassas quantidades de húmus. Para tal pobreza, dá contributo importante, o vasto conjunto de relevos inclinados que, favorecendo os processos erosivos, não permitiram, há excepção de algumas depressões e vales, a génese de solos com maior profundidade. Daí a tendência para o uso extensivo do solo e para o presumível, mas não verdadeiro, desleixo.

sinto-me:
publicado por chaveslivre às 14:46
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 6 de Abril de 2006

Onde ouvi?

"O concelho de Chaves vem sendo contemplado com um conjunto de novidades que não são mais do que actos de malvadez. No desenvolvimento económico e abastecimento público o caminho seguido é preocupante:"
 
O Pacto do Alto Tâmega foi adulterado pelo Dr. Batista
A política de abastecimento prevista, designadamente ao nível dos mercados abastecedores, passou de global para chafarica;
O projecto do Gás Natural que era vital para aumentar a capacidade competitiva das nossas empresas está como sabem;

A Agência Portuguesa para o Investimento ou a sua herdeira nem uma proposta concreta conseguiu apresentar para este território interior.

publicado por chaveslivre às 22:35
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 5 de Abril de 2006

A ciência, a ciência, a ciência...

Fernando Pessoa

 

A ciência, a ciência, a ciência... (4-10-1934)

 

A ciência, a ciência, a ciência...

Ah, como tudo é nulo e vão!

A pobreza da inteligência

Ante a riqueza da emoção!

 

Aquela mulher que trabalha

Como uma santa em sacrifício,

Com quanto esforço dado ralha!

Contra o pensar, que é o meu vício!

 

A ciência! Como é pobre e nada!

Rico é o que alma dá e tem.

 

[...]

 

Poesias Inéditas (1930-1935). Fernando Pessoa. (Nota prévia de Jorge Nemésio.) Lisboa: Ática, 1955 (imp. 1990).

publicado por chaveslivre às 14:38
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.pesquisar

.Fevereiro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Vamos abrir caminho ...

. Quanto mais longe pior.

. A anticipação supera a re...

. Vamos retomar a acção!

. A mentira continua!

. ...

. Desmedido frenesi.

. Rotinas passadistas

. TIC's na autarquia?

. 25 de Abril

.arquivos

. Fevereiro 2008

. Fevereiro 2007

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

.tags

. todas as tags

.links

Get Firefox!
 Use OpenOffice.org

.subscrever feeds

blogs SAPO

.mais sobre ...