Segunda-feira, 17 de Janeiro de 2005

O blog pelos seus leitores

AS NOVAS FRONTEIRAS da nossa AGRICULTURA


 


Estamos no ano de 2005 - ANO INTERNACIONAL DA FÍSICA - e faz cem anos que Albert  Einstein fez importantes descobertas científicas.


Para comemorar esta data, o Partido Socialista poderia chamar, por exemplo,  o cientista Mariano Gago e dizer-lhe:


 


Se fores capaz de resolver este problema, serás o próximo ministro da Agricultura!


 


<< quinhentos mil desempregados, tanta gente a passar fome, um País  cheio silvas e giestas .... a importar quase tudo que comemos!


Milhões de contos gastos no Alqueva, e outros tantos investimentos por rentabilizar!


Só em Chaves, temos quatro barragens que ainda não produziram uma couve!


No Verão temos um inferno de fogos florestais para apagar, e o País transformado  num muro de lamentações! >>


 


Mariano é um homen da ciência fundamental ( físicas das partículas ), habituado a resolver problemas de grande complexidade e com grandes algorítmos matemáticos.


 


Mariano tem de vir a Chaves, ao fórum das “Novas Fronteiras” explicar como resolveria o problema da nossa Agricultura.


Agora, imaginem Mariano a fazer a sua “análise científica” e a mostrar-vos uma  corda que no seu modelo matemático representa a nossa Agricultura!


 


      Esta corda, antigamente, dava trabalho a muita gente!


      Logo a seguir ao 25 de Abril, no Alentejo, vieram os comunistas, pela calada da noite,  “roubaram” a corda e foram dá-la aos trabalhadores rurais.


      Os donos da corda revoltaram-se e o Partido Socilialista foi chamado a intervir (com a GNR ) para convencer os trabalhadores a entregar a corda ao dono.


 


      Passados uns tempos aderimos à Europa, veio a PAC, e os senhores de Bruxelas convenceram os políticos do “bloco central” a pendurar a corda, já não era preciso trabalhar com ela, até nos davam uns subsídios.


 


      O ministro da Agricultura do PPD, a propósito de uma pretensa reforma, resolve dar um nó no lado direito da corda!


      O ministro do PS, que lhe sucede, não faz a coisa por menos e dá outro nó, agora  do lado esquerdo da corda!


  


Mariano já nos fez o seu “diagnóstico científico”, e agora prepara-se para tentar resolver o problema.


 


Ganha coragem..., pega na corda..., desata os nós..., estica a corda!


 


E agora ?.. Que  fazer com a corda?... 


 


Tem um número infinitamente grande de hipóteses ( a tender para o infinito ) de divisão da corda: pelo regadio, pela vinha e pela floresta.


 


Mariano liga milhares de computadores em “computação paralela”.


Na esperança de apresentar um resultado o mais aproximado possível da “perfeição absoluta”, espera, desespera .... e o raio da corda continua por dividir!


 


Mariano “quer” ser ministro já em Março, olha para o relógio, decide tomar uma decisão rápida e “pragmática”:


 


Estica a  corda, corta-a ao meio e dá uma parte à floresta.


Volta a cortar ao meio a parte sobrante da corda e  dá uma parte à vinha e outra ao  regadio.


Respira fundo e exclama: seja o que Deus quiser!


 


Sim senhor ... conseguiste uma solução em “tempo record”,  diz o PS.


Mariano tinha acabado de demonstar, pela via “científica”, como se pode chegar a Ministro da Agricultura sem saber plantar uma couve!


 


O  Partido Socialista, como é um partido rico em ideias, decidiu ainda consultar dois pensadores e perguntar-lhes se também tinham uma solução para o mesmo problema:


 


      Sócrates: só um CHOQUE TECNOLÓGICO pode criar as condições de desenvolvimento do nosso conhecimento científico e do saber fazer.... para termos uma Agricultura com futuro! 


 


      Alegre : Só UM ESTADO ESTRATEGA que estabeleça os objectivos  e se comprometa  no cumprimento dessas metas pode garantir o sucesso das polítícas da nossa Agricultura do século XXI.


 


Muito bem!  São duas grandes ideias, diz o PS.


 


Passemos isto à prática:


 


O ESTADO ESTRATEGA:


 


Cabe ao Estado definir os objectivos, planificar as etapas, dimensionar os sectores que o País precisa até ao ano 2025:


 


      Agricultura intensiva


      Agricultura biológica


      Agricultura social


      Agricultura de manutenção


      Vinho do Porto


      Vinhos de qualidade (doc e vqprd )


      Azeite


      Óleos vegetais


      Madeiras e celuloses


      Cortiça


      Biomassa ( eq. Ton. Petróleo )


      Biodiesel  (eq. Ton. Petróleo )


      Cinegética


      Turismo rural


 


 


 


 


A importância do CHOQUE TECNOLÓGICO:


 


Considerando que a população rural é a mais desqualificada profissionalmente, com menos escolaridade e também a mais resistente à mudança, só com um “choque tecnológico” se encurtará o caminho  para cumprir os prazos e os objectivos.


 


As novas “ferramentas” do choque tecnológico:


Investigação científica fundamental – (física e biologia)


Investigação científica aplicada - (biotecnologia, zootecnia, agronomia... etc)


Engenharias - (agronomia, florestal, industria alimentar, informática ... etc)


Formação profissional de técnicos intermédios e dos novos agricultores


 


 


Faltava agora ouvir os especialistas da matéria,  para traçar as “novas fronteiras” do Ministério da Agricultura.


 


As suas propostas foram as seguintes:


      um quiosque na loja do cidadão ( p. entregar papelada)


      um site na internet (p. declarações electrónicas)


      centros de estudos (florestais, vitívinícolas, biotecnológicos, zootécnicos... ,etc)


      quintas de experimentação


      laboratórios de análises (solos, bactérias, vírus..., etc)


      Toda a gente para o terreno a dar apoio técnico ao agricultor (e também a  apanhar sol e respirar o ar puro das florestas).


 


Terminada a “viagem pelo interior do Partido “, cheguei à seguinte conclusão:


 


O Partido Socialista já fez todos os diagnósticos e tem todas as soluções para resolver os problemas da nossa Agricultura, faltando apenas definir os objectivos e dizer aos Portugueses o que fazer com o nosso território.


 


Temos uma liderança forte à frente do Partido Socialista: um homem corajoso que já deu provas. Quando foi ministro do Ambiente soube estabelecer os objectivos e marcar prazos para o encerramentos das lixeiras!


Espero que o seu governo tome as medidas concretas de que a nossa Agricultura tanto necessita.


 


Para terminar, quero lembrar aos participantes do fórum das “Novas Fronteiras da Agricultura” que no ano 2025 haverá alguns milhões de chineses com capacidade económica para consumir uma garrafa de porto “Dona Antónia” ou uma boa reserva  “Barca Velha”.


 


Há muito para fazer: temos de desatar os nós da corda ( análise científica),   aprender a plantar a vinha  ( o choque tecnológico),  e marcar o dia da vindima  ( o estado estratega) - uma boa reserva, precisa ainda de uma dezena de anos  de estágio na barrica de madeira -.


 


Vamos ao trabalho, que se faz tarde!


                                                                                                                      Ernesto Penedones

publicado por chaveslivre às 12:42
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

.Fevereiro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Vamos abrir caminho ...

. Quanto mais longe pior.

. A anticipação supera a re...

. Vamos retomar a acção!

. A mentira continua!

. ...

. Desmedido frenesi.

. Rotinas passadistas

. TIC's na autarquia?

. 25 de Abril

.arquivos

. Fevereiro 2008

. Fevereiro 2007

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

.tags

. todas as tags

.links

Get Firefox!
 Use OpenOffice.org

.subscrever feeds

blogs SAPO

.mais sobre ...