Quarta-feira, 22 de Dezembro de 2004

O inelutável atrofiamento liberal/capitalista.

Robert BOYER em “Os dez paradoxos do capitalismo contemporâneo”, encontra um conjunto de explicações para o falhanço do formato que, a direita actual, deu ao modelo Capitalista/liberal.
Ao contrário do período conhecido por “30 dourados”, período em que houve incremento real de salários, assistamos hoje, a um discurso fatalista que nos que persuadir da necessidade de imprimir reduções salariais, com o fito de converter a nossa economia noutra mais competitiva. Nada mais desacertado. Na economia do conhecimento e da aprendizagem, a variável salário, não é de relevo assinalável, antes funciona ao contrário, isto é: salários elevados aliciam trabalhadores mais produtivos e inovadores. É, por conseguinte, a produtividade e a inovação que devem ocupar o melhor do esforço dos nossos governantes.
E se eles só se preocuparem com o crescimento dos salários? Fora com eles.

É neste contexto que entendemos Robert BOYER quando afirma que, “o motor oculto do capitalismo poderia ser o seguinte: quanto mais constrangimentos lhe impomos, mais ele é incitado, ou mesmo obrigado, a inovar. Se o deixarmos prosseguir livremente, torna-se extensivo e socialmente retrógrado. Assim, por detrás do surpreendente crescimento americano dos anos 90, tão gabado, a produtividade dos factores no conjunto do ciclo permanece estagnada. A indolência da produtividade americana não foi ultrapassada. De facto, ante a extrema flexibilidade do salário real, cujo crescimento a longo prazo foi quase completamente detido, é lógico que as empresas não sejam pressionadas para inovar. Para as famílias e os trabalhadores, a palavra de ordem seria: «Trabalhem mais, ponham os vossos teenagers a trabalhar.» Se têm três activos por família, então o consumo e o nível de vida poderão continuar a progredir. Mas isso não renova um modo de desenvolvimento intensivo que havia feito o encanto do fordismo.
A flexibilidade defensiva do trabalho corrói a necessidade da inovação, com excepção de alguns sectores de alta tecnologia em torno dos quais se polarizam os observadores da economia americana.” in VINDT, Gérard (1999) - 500 anos de capitalismo, A Mundialização de Vasco da Gama a Bill Gates, Temas e Debates, Lisboa., pp 137.

Assim sendo, vamos lá criar problemas ao modelo capitalista da direita actual. É essa a nossa obrigação. Queremos que as nossas vidas melhorem. Vamos obrigar o capitalismo a fazer exercício, já que não queremos que venha a ter um ABC, por acumulação de “gordura” em excesso.

Vamos votar na mudança.
publicado por chaveslivre às 15:07
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

.pesquisar

.Fevereiro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Vamos abrir caminho ...

. Quanto mais longe pior.

. A anticipação supera a re...

. Vamos retomar a acção!

. A mentira continua!

. ...

. Desmedido frenesi.

. Rotinas passadistas

. TIC's na autarquia?

. 25 de Abril

.arquivos

. Fevereiro 2008

. Fevereiro 2007

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

.tags

. todas as tags

.links

Get Firefox!

.subscrever feeds

blogs SAPO

.mais sobre ...